Informações adicionais:
Anacrônica. Esta a é a linha temporal que se segue desde os primórdios para tentar explicar o mistério que envolve a vida e cada evolução dos seres. De acordo com alguns pensadores, baseados em leis ou mesmo ideais mirabolantes de suas mentes magnificamente brilhantes, somos o futuro. O novo nos aguarda. Somente os únicos capaz de adquirirem a força, podem continuar na linha de sobrevivência. Adaptar-se é o termo correto para denominar a morte dos que são deixados para trás por serem considerados "menos evoluídos". A real face deve apenas definir: você está com aqueles que buscam o mesmo ou pretende fazer a diferença mediante ao que realmente és?

O'HAL WËIDLER, Liesel

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

O'HAL WËIDLER, Liesel

Mensagem por Liesel O'Hal Wëidler em Dom Jun 28, 2015 5:10 am


Liesel

— Nome Completo: Liesel Camille O'Hal Wëidler;
— Idade: Dezesseis anos;
— Facção Originária: Erudição;
— Facção Escolhida: Amizade;
— Designição: N/A
— Índole: Boa;
História:



Nascida no paraíso, ou para os demais, no berço da família Wëidler, "erudição". Liesel, como foi nomeada por sua mãe, veio ao mundo cercada do amor que muitos almejavam e que poucos conheciam, um amor incondicional que certamente fora o essencial para torna-la quem é nos dias atuais.

O doce cheiro da primavera, é comum que seja um aroma devidamente apreciado, que lhe traga boas sensações e quem sabe boas recordações. Não era assim para Liesel. Qualquer cheiro primaveril e até mesmo as cores brilhantes e as formas das rosas lhe faziam lembrar do dia que nasceu, e do dia que perdeu sua mãe. Em plena primavera, foi quando ela se foi; era assim que Lies conhecia a história. Após uma gravidez de risco e um parto tão difícil quão, Élodie Wëidler deu toda sua vida para que a vida de sua menina fosse garantida. "Se você a tiver, morrerá", fora a frase que mais  escutou por todo os nove meses de gestação. Mas nada fez com que a mulher desistisse de sua menina, nada fez com que ela a amasse menos – ainda que sua pequena prole não passasse de um embrião em seu ventre. Éllo via sua filha como o fruto do imenso amor de viveu com o único homem de sua vida; Ezra Wëidler. Um amor tão forte que mesmo após a morte não se rompeu, até hoje o homem guarda consigo o anel de noivado de sua falecida mulher, como uma preciosa relíquia, como seu único tesouro valioso em todo o universo.

Jamais pode conhecer a mãe de verdade, tudo que ouvirá sobre ela ao passar dos anos de sua infância era o quão a mulher havia sido boa, sábia e encantadora; tudo aquilo que Liesel prometeu cultivar de sua mãe, ser igual a ela, ser tão bem reconhecida quanto ela foi, honra-la acima de tudo. Tornou-se motivo de honra também para seu pai, o extrovertido médico que tinha como seu único e fiel parceiro. Por muito tempo Ezra foi de fato o único amigo de Liesel, o único com quem a menina conseguia se abrir e mostrar quem era de fato; mesmo com tanto esforço e o ensino de seu pai, a pequena Wëidler sentia-se reclusa no meio onde havia nascido, na facção de seus pais, a erudição.

A garotinha doce e amável que todos conheciam continuou a ser a mesma ao passar dos anos, ainda que a cada dia que passasse parecesse menos garotinha. Sua maturidade veio cedo, até. Mesmo que não notasse, Liesel sempre foi um tipo de criança precoce, sempre curiosa com tudo, sempre sedenta por mais do que aquele pequeno mundo onde crescia podia lhe oferecer. Seu pai sabia disto, sempre observando-a de perto, e antes mesmo dela cogitar a ideia ele já tinha alguma certeza que um dia sua menina iria embora dali, iria atrás de uma outra realidade. E foi o que aconteceu; a chegada dos dezesseis anos só tornou mais nítido a Liesel o que ela queria: Sair da Erudição. Não que odiasse ali, nunca sentiria tanto desprezo por onde nasceu, mas ela não queria se prender a sua facção e viver por toda a vida ali. E mesmo com seus testes ditando que ela estava onde pertencia ela decidiu mudar sem destino.

A amizade era sua escolha, dali por diante.



Características Psicológicas:


A largura e genuinidade de um sorriso causado por algum de seus feitos ou pelo seu natural instinto dócil é o que Lies mais aprecia admirar – consegue até mesmo superar a sua imensa admiração pelo amanhecer ou pela brilhante, aromática  e florida primavera. O riso sincero de uma pessoa com alguma de suas brincadeirinhas inocentes ou por um suave diálogo que consegue levar a qualquer um também a deixa extremamente satisfeita consigo mesma. Convidativa. Afável. Envolvente; podem ser estes, ou quaisquer outros termos similares a estes ditos, usados para uma concisa definição do que é Liesel. Seu intelecto é até admirável, não se engane, um de seus maiores objetivos é, claramente destacar-se em tudo o que é bom, não gosta de atrair atenção negativa para si, apenas a positiva. Amizade é uma palavra que trata com atenção para a menina, no entanto, interage com todos com uma educação genuína, mas não chama qualquer um em seu caminho de amigo, é seletiva e decidida, quando quer algo, corre atrás de seu objetivo das melhores maneiras que encontrar, e até mesmo das piores.

Ser taxada de boa moça jamais foi visto como um problema, não para ela; quem sabe talvez para os demais possa vir a ser. Ninguém espera que debaixo de uma casca tão graciosa, bondosa e pouco tímida exista uma menina valente e pouco, bem pouco, suscetível. Suas manias podem ser suas características mais marcantes, mesmo que sejam muito comuns por ai. Como morder o lábio, por exemplo; sempre que nervosa, encabulada e até deslumbrada a menina tende a mordiscar seu rubro e robusto lábio inferior. Outra de suas manias mais evidentes é a de mexer em seus acastanhados e lustrosos fios capilares, seja para bagunça-los ou somente pelo simples hábito de ajeita-los para o lado. Há quem diga que poucas destas manias são até seu charme, unindo-se aos seus graúdos olhos azulados e feição refinada e naturalmente bela.



all of my kindness is taken for weakness.



Atributos:

Intuitiva ao extremo, usa de sua sensatez como base de seu instinto intuitivo, sempre acreditando em tal.

Persuasiva, oh, sim! Sabe o que falar, quando falar. Com palavras inteligentes e uma beleza genuína, é fácil persuadir alheios á sua opinião.
Pertences:

— Um pequeno caderno azul, parcialmente rabiscado com anotações, poesias, desenhos e afins. Herdado de sua mãe.

— Um bracelete bronzeado com um pingente simbólico a facção em que nasceu, com o nome da menina escupido nas extremidades.

— Uma pequena, mas potente, lanterna de bolso.

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: O'HAL WËIDLER, Liesel

Mensagem por Divergent em Qua Jul 01, 2015 12:06 am


Seja Bem-Vinda
Ao Divergente;


Ah, jovem Liesel. Sinto muito por sua perda tão prematura. Talvez isso tenha transformado-a no que é hoje, mas, claramente uma infância sem uma figura materna pode ter sido prejudicial. Também sinto muito por sua curiosidade, pois, ela provavelmente lhe colocará em situações um tanto inoportunas e eu diria ate mesmo desagradáveis. Talvez a primeira destas seja inclusive a amizade, local onde você jamais poderá fugir do cheiro de primavera e de lembranças não tão felizes assim. No mais seja muito bem-vinda e tome cuidado. Segredos existem e há aqueles que matariam para os guardar.

Aprovado.
Entities
avatar
Entities

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum