Informações adicionais:
Anacrônica. Esta a é a linha temporal que se segue desde os primórdios para tentar explicar o mistério que envolve a vida e cada evolução dos seres. De acordo com alguns pensadores, baseados em leis ou mesmo ideais mirabolantes de suas mentes magnificamente brilhantes, somos o futuro. O novo nos aguarda. Somente os únicos capaz de adquirirem a força, podem continuar na linha de sobrevivência. Adaptar-se é o termo correto para denominar a morte dos que são deixados para trás por serem considerados "menos evoluídos". A real face deve apenas definir: você está com aqueles que buscam o mesmo ou pretende fazer a diferença mediante ao que realmente és?

WENDRYCH, Europe

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

WENDRYCH, Europe

Mensagem por Europe H. Wendrych em Qua Jul 01, 2015 10:20 pm


Europe

— Nome Completo: Europe Lewen Hösser Wendrych;
— Idade: 15 anos;
— Facção Originária:Sem-facção;
— Facção Escolhida: Sem-facção;
— Designição: Tutelada;
— Índole: Neutra.
História:


''Encarou as árvores secas com os olhos estreitos e lábios pressionados. Definitivamente não estava protegida. Reprimiu um suspiro e observou as roupas bonitas na qual estava vestida, o que comprovava ainda mais sua teoria. Um sonho? Provavelmente. Ou talvez estivesse viajando de novo, mas seus pensamentos nunca ganhavam forma daquele jeito, por mais viajada que estivesse. É, definitivamente estava em um sonho. Enquanto caminhava pela grama queimada, notou que as casas estavam destruídas, sem exceções, e em algum canto ali que ela evitou olhar para os corpos que jaziam no chão. Era tudo muito mórbido. ela sempre gostou da morbidez, mas era estranho ver a vila daquela forma.

Um vento bateu-lhe, trazendo o cheiro de fumaça e algumas cinzas e ela se restringiu a seguir essa trilha deixada pelo aroma. Não se apressava e seu ritmo era calmo demais para alguém que via todas aquelas atrocidades em silêncio. O ar estava pesado e possuía um cheiro de podridão.

(...)
Talvez ela mesma tivesse esquecido que havia sofrido. Ou talvez tivesse apenas escolhido esquecer ou substituir toda aquela dor por algo mais feliz. Era isso que fazia todos os dias, não? Ser forte. Viu com uma vagarosidade torturante um passado distante voltar à sua mente, quando ainda era uma menina de 10 anos, com seus colegas a olhando de forma estranha enquanto se via, tão pequena e frágil em um canto. Não que ela colaborasse para ser querida, já que nesta época sempre optou por se isolar o máximo possível de tudo e todos. Ela queria que alguém tentasse a aproximação, tentasse o primeiro passo. Alguém que talvez gostasse dela, quem sabe. O simples fato de ser diferente, de não ser vista com desejo que fizeram com que ela fosse denominada de coisas que ela não é e nunca foi e provavelmente nunca será, como inconfiável.

Então, o cenário mudou. Era um momento feliz entre seu pai, ela e sua irmã. Era uma boa memória, sem dúvidas. Então, porque ela estava ali? Como se lesse seu pensamento - se achou tola por usar esta expressão, é óbvio que leu seu pensamento, considerando que é tudo parte de um sonho, saíra de sua cabeça, afinal - o cenário começou a escorrer, como tinta fresca. Aliás, o cheiro de tinta estava lhe atordoando os sentidos. Olhou para o lado e como se estivesse dentro de um quadro ela viu seu pintor sorrir macabramente com seus dentes podres.

Foi naquele momento em que ela finalmente sentiu falta de algo. Estendeu a mão e a região a sua frente tremulou. Uma passagem. Se jogou na passagem, sendo automaticamente mandada para outra cena. reconhecia aquela cena, reconhecia ela bem. Era, literalmente, o momento de sua morte.

Um acidente. O local se abrigaram, queimado. Uma sobrevivente.
Foi então o inicio da tragédia. Era o fim e ao mesmo tempo o inicio de sua vida. Era algo tão paradoxal. Ela estava no escuro, até que um clarão azulado surgiu. Um clarão que ela reconheceu logo que abriu os olhos e viu seu pai com os resquício do seu momento de amargura escondidos por um tipico sorriso prepotente com quem diz "eu posso tudo.'' Mas ele não podia. e jamais poderá fazer nem um terço do que queria.
Uma troca equivalente, era tudo que elas precisavam. Um sentido perdido e um membro deixado para trás, isso resultou em sua fuga de casa e, mais tarde, à nova condição que seria obrigada a viver.''


No instante seguinte, caiu em um buraco em algum momento de distração e foi parada apenas pelo chão da ruela escura. Era o vazio. Não, não era o deserto, não era areia que tinha abaixo de seu corpo, Eram cinzas. Cinzas de memórias queimadas, sentimentos queimados, ela queimada. Tudo só se cessou quando ela despertou daquele sonho que sempre a atormentaria. Sua respiração sendo forçada e ruidosa, ela fechou os olhos, engolindo a seco.

Não era ela. era o que ela poderia se tornar.

•••••

Nota: Esta é somente a base da história da personagem. A mesma, porém, será melhor desenvolvida nas postagens em on e interações futuras.
Contudo, acredito que, ao longo da narrativa, fora possível notar que Europe sempre vivera fora das demais facções, nascida e criada na grupo dos sem-facções. Sua mãe morrera três dias após o parto de Europe, designando-a como filha caçula. Assim, a ruiva vivera com a irmã e o pai. Porém, quando Europe completara 10 anos, acabou perdendo a família em um incêndio criminoso, no abrigo onde se refugiavam. A partir desse fato, Europe teve que aprender a viver por conta própria, fazendo favores para algumas pessoas em troca de água e comida, sendo ajudada algumas vezes pelos grupos de apoio vindo da Abnegação.

Características Psicológicas:


Afetada pelas recorrentes fugas e decepções, tornou-se paranoica. Foge da vista de qualquer pessoa que lhe pareça suspeita, e depois de tudo que viveu, qualquer um é suspeito. Seu instinto de sobrevivência é invejável, sua intuição sempre está certa. Se ela disse que você não é uma boa pessoa, não tente lhe mostrar o contrário. Para Europe, a primeira impressão é a que fica.

Por outro lado, tende a ser cruel, às vezes, uma vez que não tem exata noção de certo e errado e limites; a despeito disso tudo, tem um coração bom... ou ao menos o protótipo de um. Não vai te salvar só por gostar de você (coisa raríssima de acontecer, diga-se de passagem), mas se você for útil é outra história. Não é muito suscetível a culpa ou mesmo golpes de consciência; se não faz algo que quer, será por medo de ser punida, e só tem medo de ser punida por algo que já fez e acabou apanhando, ou coisa parecida. Sua antissocialidade, apesar de tudo, protege-a dos interesseiros uma vez que é preciso persistência para tirar algo da garota. Também não é agressiva, só responde os estímulos violentos na mesma moeda, nunca dando a outra face.

Não confia em absolutamente ninguém, nem pretende confiar. Sinais de afeição? Pode apostar que a ruiva está querendo algo em troca. e quando essa garota coloca uma ideia em sua cabeça, poucas são as coisas que conseguem pará-la. Mas claro, apesar de raríssimos, também existem os seus momentos de descontração. Porém acredite, você não quer ser alvo de seus comentários ácidos e intrigantes.
BECAUSE TWO CAN KEEP A SECRET IF ONE OF THEM IS DEAD


Atributos:

— Vigor Físico
— Rastreamento
Pertences:

— Medalhão de prata, contendo a foto do pai e da irmã dentro do mesmo;
—  Mochila pequena;
— Adaga de prata levemente enferrujada;
— Caderno para anotações + lapiseira.
 

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: WENDRYCH, Europe

Mensagem por Divergent em Qui Jul 02, 2015 4:52 pm


Seja Bem-Vindo
Ao Divergente;


Incrível como mesmo à momentos difíceis nunca se deixou ficar para trás, sempre esteve em busca cada vez mais do sucesso e sempre estará, bem, eu espero. Não veja como ato de desespero se dar sem a presença de uma família, há várias pessoas dentro dos sem-facções, que mesmo que não pareçam há um bom coração. Não se assuste, pequena garotinha, tornará-se grandiosamente forte.


Aprovada.
Entities
avatar
Entities

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo


Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum